(Re)encontro

(Re)encontro

 

  Acho incrível a sua forma de me fazer tão bem e mal ao mesmo tempo. Enquanto estou aqui no meu quarto pensando no que fiz de errado pra você não me querer de volta, você está vivendo sua maravilhosa vida, aproveitando todas as oportunidades.
  Ah, como tenho inveja nessas horas, como queria estar contigo, sentada ao seu lado, na roda de amigos ouvindo mais uma daquelas piadas chatas que você conta quando começa a beber.
   Como eu queria ser a garota dos seus sonhos, a que você deseja a noite toda e só saí da boate depois que consegue o telefone, como eu queria ser aquela que você pensa antes de dormir.
  O que eu mais queria era voltar no tempo, era fazer você lembrar como eu sou e como ainda continuo sendo a garotinha indefesa da rua ao lado, de todas as juras de amor, corações desenhados na ultima folha do caderno, viagens e o quanto você me fazia feliz.
  Por enquanto, você se aproveita do meu amor e me engana nas ligações de madrugadas, nos sorrisos e nos presentes de fim de ano. Você não sabe como isso dói porque a cada beijo você me enche de esperança, de alegria e até intensifica o meu amor, me faz reviver o passado, mesmo que eu não faça mais parte do seu futuro.

Ano Novo

Ano Novo

  O nosso amor poderia ser igual aos anos, têm duração certa, trocam de nome a cada 365 dias e em questões de segundos o cansaço, a chateação e a preocupação se transformam em esperanças, renovações e disposição pra começar tudo de novo.  O nosso amor começaria com fogos de artifício e beijos apaixonados no réveillon e terminaria… Bem, não terminaria, porque ano acaba e começa do mesmo jeito. Talvez casássemos em alguma igrejinha do interior em maio, trocaríamos presentes em junho e viajaríamos para a Europa em julho.
Passariam os anos, os calendários seriam riscados, contas e extratos bancários jogados pela gaveta do criado mudo. O amor não seria medido em datas comemorativas, aniversários ou presentes, mas seria lembrado todos os dias, ou talvez nunca esquecido.
  O nosso amor poderia ser igual aos anos, mas deles parecemos só com o carnaval: Começa numa sexta-feira animada, dura pouco e termina numa quarta-feira de cinzas.